Veja os destaques do primeiro dia da V Bienal do livro de Maceió

Na manhã de hoje, 22, teve inicio a V Bienal Internacional do Livro de Alagoas, no Centro de Convenções Ruth Cardoso, em Maceió. Em pleno sábado de sol, a população maceioense trocou as praias por um roteiro um pouco mais “ alternativo” e entregou-se as letras. O público presente, além de conferir os últimos lançamentos literários, pode participar de palestras, oficinas e mesas redondas. Veja os destaques da manhã de hoje:
AUDITÓRIO


Na palestra “Bibliotecas Públicas e Escolares: espaços multiculturais e de estimulo à leitura”, a professora Wilma Nóbrega presidente da associação alagoana de bibliotecários, enfatizou a importância das bibliotecas para a sociedade civil, valorizando sobre tudo as minorias culturais nacionais. Relatou a experiência da “Biblioca”, construída em parceria com os alunos de arquitetura do Cesmac e curado por adolescente de uma aldeia indígena alagoana, onde índios liam índios.

LUITGARDE BARROS

Foi realizado a oficina “Dez anos a mil” com o coautor do e-book homônimo,Vitor Almeida. Vitor compartilhou a experiência de lançar um e-book e comentou as vantagens sobre o livro tradicional, ressaltou que, além do baixo custo de produção a facilidade na hora de distribuir os e-books tem atraído cada vez mais os jovens autores (e leitores) para os formatos digitais. Como exemplo disso ele usou o seu próprio livro Dez anoz a mil, disponível em diversos formatos digitais no site http://www.dezanosamil.com.br que já teve mais de 200mil acessos e 3mil downloads.

Sala José Marques Melo
Animação deu o tom da oficina de contadores de história, ministrada por Cláudia Pimentel. Crianças de diversas escolas da capital tiveram aula de expressão corporal e puderam ter suas primeiras experiências como contadores de história.
MANOEL CORREIA DE ANDRADE

Na oficina de libras, a estudante de Libras Juliana fez a leitura do livro “Cinderela Surda” de Caroline Hessel, Fabiano Roda e Lodenir Karnopp. Juliana ainda reforçou a ideia de é preciso entender que a Libras é o primeiro idioma do surdo e que não se deve forçar o ensino do português como primeira língua do surdo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s